Prólogo de uma Biografia

   Minha vontade de escrever já me levou a escrever sobre muitas coisas que na maioria das vezes falava sobre mim. Depois me perguntei: “Por que não escrever minha biografia?”. Talvez para que tudo não caia no esquecimento, talvez para mostrar aos meus filhos, talvez eu já economize tempo se um dia for famoso, talvez para saciar minha vontade de escrever ou para saber quem eu sou se um dia precisar lembrar. Acho que é um pouco de tudo.

   Não sinto vontade de ter minha história escrita por alguém que não seja eu. Pois serão olhos que não serão meus. Não carregará tanta emoção por mais brilhante que seja o escritor empenhado nesse papel, pois ele não viveu essas emoções. Ninguém saberá descrever as lágrimas que tantas vezes escorreram em meus olhos, os sorrisos que minha boca expressou largamente, os amores que meu coração tanto sentiu e as saudades que sempre habitarão em minha mente. Só quem viveu sabe como é!

   Não é uma história fenomenal com plot twists. Apenas uma história de uma pessoa comum. Será o meu manual onde verei as lições que me foram dadas, relembrarei quem foram meus amigos falsos e meus inimigos verdadeiros. Lembrarei com carinho dos amigos que pude contar, das pessoas que não tenho mais contato. Saberei como começou meu romance com a vida do qual perdura até hoje sem esmorecer. Lembrarei certamente de todos os personagens reais que passaram na minha vida e sem saber deixaram sua marca na minha história. Trarei a tona minhas decepções amorosas, minhas escolhas erradas e meus caminhos tortuosos. Esse projeto não tem fim, pois todo dia algo estará por vir ou lembrarei de um detalhe do qual não veio na memória e incrementarei aqui.

   Espero me emocionar quando daqui a muito tempo começar a ler isso. Na vida só se pode viver uma vez e não existe máquina do tempo. Quando ler essa biografia daqui a algum tempo, estarei realizando essas duas coisas…

E dou todos os vegetais como alimento a tudo o que tem em si fôlego de vida: a todos os gran­des animais da terra­, a todas as aves do céu e a todas as criaturas que ­se movem rente ao chão”. E assim foi. Gênesis 1:30

Garoto Perdido.

Postado há 27th May 2013 por Thallys Freitas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge